A cultura de Londrina pede socorro

Artistas e produtores culturais pedem medidas urgentes do poder público para garantir sobrevivência na pandemia; secretaria aponta continuidade da política de financiamento

Cecília França

“Londrina pulsa cultura e arte”. A frase constante no manifesto escrito e falado do Fórum Permanente da Cultura expressa a pura realidade da cidade, dos grandes festivais à arte exibida e vendida nos calçadões. Mas essa cultura encontra-se asfixiada. Precisa urgentemente respirar. Há quatro meses não se tem shows com público, não se tem teatro, não se tem música ao vivo nos bares, não se tem rodas de histórias. A pandemia do novo Coronavírus, que nos abrigou ao isolamento, imobilizou grande parte da economia criativa.

Algumas atividades possíveis estão sendo desenvolvidas nas plataformas digitais, a partir, principalmente, da adaptação de projetos anteriormente aprovados pelo Programa Municipal de Fomento à Cultural (Promic). Outras, simplesmente aguardam o retorno à normalidade, sabe-se lá quando. “Vivemos com nosso público. Subsistimos do nosso trabalho. Fomos os primeiros a parar e seremos os últimos a voltar”, diz o vídeo-manifesto, um quase jogral suplicante por medidas emergenciais.

Continuar lendo “A cultura de Londrina pede socorro”