Ele passarinho

Por Carlos Monteiro*

O maior cronista brasileiro de todos os tempos teria feito 108 anos ontem (12). Há trinta, bateu asas e voou para os pomares celestiais. Metamórfico, é passarinho ou borboleta amarela no firmamento.

Continuar lendo “Ele passarinho”

Em nome do Pai

Por Carlos Monteiro*

Padre Júlio Lancellotti, ou simplesmente Júlio, como gosta de ser chamado, é daquelas pessoas cada vez mais raras. Como religioso leva a prática do amor ao próximo e da caridade ao pé da letra. Leva como forma de vida, não com palavras vazias e repetitivas, mas dando exemplos diários e seguidos. Como ser humano está na classificação de ‘Anjo do Senhor’. Não mede esforços em ajudar ao próximo, tenha a cor que tiver, a opção sexual que escolher, a nacionalidade que lhe foi ‘imposta’ ao nascer ou a condição socioeconômica forçada pela vida. Júlio enxerga em outrem seres humanos, pessoas, gente que é para brilhar, não para morrer de fome.

Continuar lendo “Em nome do Pai”

‘Sou feito bambu, envergo mas não quebro’

Contra o consumismo desenfreado, o jornalista Guto Rocha ensina como ser feliz na simplicidade de uma rotina cercada de verde, arte e respeito pelo próximo

Por Mariana Guerin, jornalista e confeiteira em Londrina. Adoça a vida com quitutes e palavras

Se você não conhece o Guto Rocha, precisa conhecer. Ele é um cara simpático que te encontra nos eventos culturais da cidade e dá aquele beijo estalado na sua bochecha e aquele abraço forte te fazendo sentir especial num instante. E quando você descobre um pouco da sua história fica ainda mais encantada por esse rapaz lindo e cheio de empatia pelas pessoas, pela natureza, pela arte, enfim, pela vida.

Continuar lendo “‘Sou feito bambu, envergo mas não quebro’”

Chegamos aos 200 mil mortos, quanta tristeza

Por Carlos Monteiro*

Hoje completamos 200 mil vidas ceifadas pelo novo Coronavírus no país. São 200 mil Marias e Clarisses chorando por seus maridos e filhos do solo da nossa Pátria mãe gentil, que voltaram ao sal da terra. Famílias destroçadas e devastadas, sofrimento e dor.

Continuar lendo “Chegamos aos 200 mil mortos, quanta tristeza”

O duplo sentido perdeu o sentido

Por Carlos Monteiro*

Severina Xique-Xique enlutou, enlutaram também o Gato Tico e o Jegue. Morreu, aos 89 anos, Genival Lacerda o “Rei do Duplo Sentido”. O cantor e compositor paraibano, nascido em Campina Grande, interior da Paraíba, em 1931, foi autor de grandes sucessos do forró, como: “Severina Xique Xique”, “Rock do Jegue”, “Mate o Véio Mate”, “O Chevette da Menina”, “O Gato Tico”, “Radinho de Pilha”, “Julieta”, “O Kiko Cheiroso”, “Vizinha Fofoqueira”, “A Véia Debaixo da Cama”, “De quem é esse jegue?” e tantas outras.

Continuar lendo “O duplo sentido perdeu o sentido”

Vingamos 2020 para um 2021 que medre!

Por Régis Moreira*

Quem de nós, em nossos piores pesadelos, poderia imaginar um 2020 com toda sua complexidade?!?! Usei a palavra complexidade para não explicitar o terror necropolítico em que fomos enfiados e vamos sendo empurrados ladeira abaixo pelos desgovernos da morte. O preço que todos pagamos é alto, as vidas que perdemos diante de respostas relapsas de quem dá ombros pro que há de mais raro, que é a vida, e pelos que deveriam zelar por ela, nas condições de representação que lhes foram outorgadas, porém tivemos que conviver com os duros golpes diários de um descuido constante.

Continuar lendo “Vingamos 2020 para um 2021 que medre!”