Carnaval de quarentena

Por Régis Moreira*

Carnaval de quarentena

Carnavalizar as existências

Travestir de alegria e afetos

Paralelepípedos em samba

Encontros em blocos

Brilhos, fantasias

Vagantes extras

Extravagantes

Pelas ruas da cidade em glitter

Palhaços e bailarinas

Super homens, mulheres, não binários todes

A candura do Unidos do Candinho

A gentileza do Loucura Suburbana

Blocos das Quengas

Do Bafo Quente

Da Elke

A bunda tremilica no compasso

Da banda de Ipanema

A dança como norma dos corpos

Explode Coração

Ilú Obá de Min

Exu, Maria Padilha e Zé Pilintra 

Licença pra “botar meu bloco na rua

Brincar, botar pra gemer”

Tarado Ni Você

Loucuras permitidas

No energizar dos sonhos

Adrenalizar, escandalizar

Meu sorriso no seu

Nosso permitir 

Vir a ser aquilo que quiser

No charme do Charanga do França

Minhoqueens fecundam o chão

Fogo e Paixão

Onde Simpatia é Quase Amor

Dos Filhos de Gandhi

Sabedorias… 

Dos Acadêmicos do Baixo Augusta

Clovis e clowns

Mangueiras, Salgueiros e Portelas

Os loucos pela X

Rosas de Ouro

Nos jardins da avenida

Apoteoses!

Pelos nossos ancestrais

As bandeiras giram

Flutuam estandartes

Marchas e enredos

Sambas e frevos

Afoxés e axés

Brilhos e maracatus 

Lantejoulas e plumas

Fitas e cores

Concentrar para dispersar

Despertar brincante

Para sermos outres

Tornar-me mágico, anjo e demônio

Zé do Caixão

Fred Flinstones…

Carmem Miranda passou

Abraçada com o Chaplin

Vi Maria Bethânia

Sambando com o pirata

Sassaricando

Passei pelo Rei Momo

Folia entre confetes e serpentinas

Dancei com as crianças

Pelo poder do colar de contas

O catador me indagou o seu destino

O atelier

A quadra

Os foliões

A saída  

Esse ano o cavaco silenciou-se

Tamborins calaram-se

Fantasias guardadas

Sem encontros

Sem blocos 

Monobloco

Sem aglomerações

Esse ano o carnaval tem gosto de quietude

Recolhimento

O sonho da cura

Vacinas contra os males

Pandeiros surdos

Choram num canto

Cuícas lamentam

O pierrot chora

E já não é pelo amor da colombina

E nem no meio da multidão

Mas meu coração esperança

De próximas folias

Que brotem dos retalhos de cetim

Outras máscaras

Outros bailes

Outros infindáveis respiros!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s