Surtos e aglomerações consolidaram cenário de aumento de casos, diz integrante do Grupo de Trabalho Covid-19

Para profissional, medidas mais restritivas, como as anunciadas ontem pela Prefeitura de Londrina, deveriam ter sido tomadas em agosto

Cecília França
Nelson Bortolin

Foto em destaque: Prefeitura de Londrina

Semanalmente, há quase seis meses, um grupo de catorze profissionais de diversas áreas se reúne para avaliar os dados relativos à pandemia em Londrina. Eles formam o Grupo de Trabalho Covid-19 e seus relatórios baseiam as orientações do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (Coesp). Em agosto o grupo visualizou um aumento acentuado de casos na cidade e passou a classificação de risco de moderado para alto, o que sugeriria novas medidas restritivas. O Coesp sugeriu a bandeira vermelha, mas a Prefeitura não acatou.

Ontem, quando Londrina completou 200 óbitos por Covid-19, o prefeito Marcelo Belinatti (PP) anunciou novo fechamento de bares e áreas públicas. Na avaliação de um integrante do Grupo de Trabalho Covid, que preferiu não se identificar, a medida foi acertada e já deveria ter sido tomada anteriormente.

“Os dados mostram um cenário de aumento dos casos de uma forma consolidada e os fatores que influenciaram foram os surtos e locais que geram grandes aglomerações, como bares, boates e praças”, avalia. “Na minha opinião, algumas medidas poderiam ter sido tomadas desde meados de agosto, pois foi nessa época que os casos começaram a aumentar. Nesse período, ficamos acompanhando se os casos eram uma tendência ou somente surtos isolados”.

O grupo, composto por profissionais da saúde, geógrafos, matemáticos e estatísticos, analisa dados diversos, como aumento da ocorrência de síndromes gripais em geral, oferta de leitos, índice de isolamento e taxa de positividade (índice de resultados positivos entre os testados). O profissional entrevistado pela Lume é cuidadoso na análise desta taxa.

“O que temos visto é que essa taxa tem variado entre 15% a 25% nos últimos dois meses. Podemos classificar como baixa, porém, particularmente não observo se é alta ou baixa e sim sua evolução. Se pensarmos que uns dois meses e meio ela estava na faixa de 15%, é algo que preocupa. Mas era esperado aumentar, já que os surtos e as semanas de inverno mais intenso fizeram aumentar as síndromes gripais de forma geral”, pondera.

O integrante do grupo é igualmente cauteloso na análise da oferta de leitos, uma vez que a média diária de casos aumentou de 80 para 145 em apenas um mês.

“Apesar da cidade de Londrina receber muitos pacientes da região, ainda a quantidade de leitos está suportando bem a pandemia. Novos leitos foram adquiridos e isso foi importante para o sistema de saúde suportar esse aumento. De qualquer forma, é um indicador que deve ser acompanhado semanalmente”.

Questionado se serão necessários fechamentos constantes até que se tenha uma vacina para o novo Coronavírus, o profissional avalia como muito provável. “Essa é uma tendência não só de Londrina mas da maioria das cidades de médio a grande porte do Brasil.

Novo recorde

Nesta quarta-feira Londrina registrou o maior número de novos casos de Covid-19 desde o início da pandemia. Foram 208. Nos últimos sete dias, 1.138 londrinenses testaram positivo para o novo coronavírus, o que resulta numa média diária móvel de 162 novos casos.

No acumulado, são 7.380 resultados positivos de Covid-19 na cidade, sendo que 6.635 dessas pessoas já estão curadas.

A cidade também registrou outras quatro mortes pela doença nesta terça-feira. No total, agora são 200. A média móvel diária de óbitos é de 3,7.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s