Agentes contestam resolução para acompanhar detentos em hospitais

Para sindicato da categoria, medida extrapola as funções do cargo além de expor profissionais a risco de contaminação por Covid-19

Cecília França

Agentes penitenciários de Londrina e região foram surpreendidos, na semana passada, por uma ordem de serviço que determina a permanência nas unidades hospitalares para acompanhamento de detentos internados. A medida – instituída por resolução estadual em 2012, mas só agora implementada – ultrapassa as funções do cargo, além de colocar os profissionais em maior risco de contaminação por Covid-19, na visão do Sindarspen- Sindicato dos Policiais Penais do Paraná. A entidade está contestando judicialmente a mudança.

Daniel Molina, diretor disponibilizado do Sindarspen em Londrina, diz que a função dos agentes é fazer a custódia dos presos dentro das unidades prisionais. “A nossa custódia de preso é intramuros, a gente não pode ficar saindo, nosso perfil não permite. Quem pode fazer essa situação é a Polícia Militar”, explica. Na ação que pretende reverter a medida o sindicato apresenta trecho da Lei n. 19.131/2017, que traz o perfil profissiográfico do cargo de agente penitenciário: “Vigiar, revistar e controlar áreas internas, áreas intramuros, mulharas, alambrados (…) Vigiar, fiscalizar, revistar, conduzir internamente…”

Molina ressalta que a permanência nos hospitais expõe os profissionais ao novo Coronavírus e aumenta as chances de que a doença entre nos presídios. “Quando o preso retorna do hospital ele fica em isolamento 15 dias. Se não tiver nada que altere a situação dele a gente mistura. Mas como vão fazer isso com a gente?”, questiona.

Nenhum caso de Covid-19 foi registrado até agora entre presos de Londrina. Entre agentes, foram seis. “Aqui é o lugar mais controlado da pandemia, não podemos perder o foco. Maringá, Cascavel, Curitiba, o caos já está operando. Imagina em um lugar confinado um vírus mortal à solta? Não tem grade que segure”, argumenta.

O coordenador regional do Departamento Penitenciário Estadual (Depen), Reginaldo Peixoto, diz que a medida atende à Resolução n. 10 de 2012, instituída conjuntamente pelas secretarias de Segurança e Justiça da época. “Nós fomos a última região do Estado a implementar. Estou seguindo orientação do departamento”, explica.

Peixoto ainda não tinha conhecimento da ação do sindicato na última quinta-feira, quando atendeu a reportagem da Lume. Ele diz que os argumentos citados são pertinentes, porém, que os agentes já participam do acompanhamento dos detentos em hospitais. “Enquanto não se dava o ato de internar já tinha um agente acompanhando, para fazer raio-x, colher sangue…Aí precisava internar ele retornava e ficava só a PM. O ato de ir até o hospital já existia”, detalha. “Estamos seguindo a regulamentação e foi orientado o cumprimento integral disso daí”.

Peixoto ressalta que na regional de Londrina apenas dois detentos contraíram Covid-19, em Arapongas. Também foi feita testagem em massa em Rolândia após surgimento de sintomas, porém, os resultados foram negativos. “Estamos fazendo um trabalho sério”, defende.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s