Documentário resgata histórico de luta de trans e travestis em Londrina

Filme que será lançado hoje foi produzido por estudantes da UEL a partir de iniciativa do Coletivo ElityTrans

Cecília França

Travestis e transexuais de Londrina sempre enfrentaram um terreno hostil às suas presenças. Mas o enfrentamento desse preconceito levou à construção de uma história de militância resgatada, agora, no documentário “Meu amor, Londrina é trans e travesti”, produzido por alunos da Universidade Estadual de Londrina (UEL) a partir de uma iniciativa do coletivo ElityTrans. O lançamento acontece hoje, às 19h15, na sala 678 do Centro de Educação, Comunicação e Artes (CECA) da Universidade.

Christiane Lemes, idealizadora do documentário e detentora de ampla memória e acervo sobre esta população, conta que pioneiras na luta por direitos serão homenageadas no lançamento. “Vamos homenagear as veteranas da década de 70 – Joana Baiana – década de 80 – Saara Santana, Skarlet, Mismy, Delefrance – e todas que ajudaram nesta luta, para que elas não sejam esquecidas”.

O trabalho de produção e execução do documentário foi realizado por estudantes de Comunicação e da pós-graduação em Comunicação Popular e Comunitária.

Mel Campus, grande porta-voz do movimento atualmente, lembra que Londrina sempre foi um território hostil para a população trans. Neste sentido, as conquistas, ainda que poucas, representam muito. “Nesse documentário pessoas importantes contam suas vivências, suas emoções, suas lutas, que se encontram em uma única luta por direito ao respeito e pelo direito à cidadania plena”, define.

Mel é uma das últimas representantes do movimento capacitadas para a militância. No passado, existiram entidades voltadas ao incentivo desta militância, sendo a última a Adé-Fidan, extinta em 2007 por falta de recursos. Mel considera o Coletivo SlityTrans um fruto dessa história.

“Eu sou uma pessoa muito grata por poder fazer parte desse processo. Tenho minhas opiniões, minhas afetações, minha forma de militar, mas que sempre dialogou com todas as lutas que aquelas que vieram antes de nós travaram para que a gente estivesse hoje deleitando de algumas coisas, que são bem poucas. Ou seja, ainda temos muito trabalho a fazer”, finaliza.

Chris Lemes e Mel Campus durante exibição do filme

SERVIÇO

Lançamento do Documentário “Meu amor, Londrina é trans e travesti”

Local: Centro de Educação, Comunicação e Artes (CECA) da UEL – sala 678

Horário: 19h15

Entrada gratuita

2 comentários em “Documentário resgata histórico de luta de trans e travestis em Londrina

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s