Movimento Nacional vê ataque aos direitos humanos em conversas vazadas da Lava Jato

Para o MNDH, procuradores e juiz Moro violaram o direito a ampla defesa no processo contra o ex-presidente Lula

Por Redação
Rede Lume de Jornalistas

Após a divulgação das conversas entre integrantes da equipe da Operação Lava Jato em redes sociais e entre o procurados Deltan Dallagnol e o então juiz Sérgio Moro, o Movimento Nacional dos Direitos Humanos emitiu nota em que considera que os integrantes do Judiciário feriram a Constituição Federal e atacaram os direitos humanos, impedindo a ampla defesa dos investigados no escândalo.

“Ao que tudo está indicando, interesses partidários e eleitorais coadjuvaram com a atuação judicial, comprometendo a isenção e a independência necessárias ao exercício do juízo justo”, classifica a coordenação do MNDH em nota enviada à imprensa.

As conversas, vazadas de uma rede social, foram publicadas pelo site The Intercept Brasil no último fim de semana. De acordo com o jornalista responsável, Glenn Greenwald, o veículo recebeu outros inúmeros documentos relativos a desvios de conduta na operação de uma fonte anônima.

As conversas vazadas pelo site mostram que o procurador responsável pelo processo que condenou o ex-presidente Lula, Dallagnol, tinha dúvidas sobre as provas às vésperas de apresentar a denúncia. Também mostram que o então juiz do caso, Moro, deu dicas e orientou o trabalho do Ministério Público, fragilizando a defesa.

“O direito ao devido processo legal e o direito à defesa foram amplamente atacados, a se confirmar as informações constantes das reportagens”, destaca o MNDH, que baseia seus argumentos em artigos da Constituição e da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

OAB pede fastamento

Também ontem (10) a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) manifestou, por meio de nota, “perplexidade e preocupação com os fatos recentemente noticiados pela mídia, envolvendo procuradores da república e um ex-magistrado, tanto pelo fato de autoridades públicas supostamente terem sido ‘hackeadas’, com grave risco à segurança institucional, quanto pelo conteúdo das conversas veiculadas, que ameaçam caros alicerces do Estado Democrático de Direito”.

Diante da “gravidade dos fatos”, a entidade defende apuração intensa e justa e defende o afastamento dos envolvidos até o fim das apurações. “Este quadro recomenda que os envolvidos peçam afastamento dos cargos públicos que ocupam, especialmente para que as investigações corram sem qualquer suspeita”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s